domingo, 7 de fevereiro de 2016

Deixar leve




Deixa leve o peso que se sentes.
Muitas vezes o erro não está nas respostas obtidas, mas na forma como formulamos as perguntas, e na forma como visualizamos tudo ao redor.
Deixar leve o peso que sentimos de carregar as nossas mudanças, de carregar nós mesmos e nossos pertences internos. Leve para lembrar de arrumar um cantinho pra se ficar, não lá fora, mas no "aqui dentro".



Descansar em nós mesmos o que se torna cansaço. Mudar, não de repente,como quem foge as pressas. Por que não há essa necessidade de fugir de nós, e ainda que quiséssemos jamais conseguiríamos. Mas é preciso respirar, e sentir realmente que se respira, sentir que um coração pulsa e que se tem uma mente leve...e que levita.
Há tanto acontecendo a volta, e que por mais simples que possa parecer é algo que arranca (ou arrancaria) risos até de nossa alma. É tudo bem simples. Nós que não sabemos fazer as perguntas muitas vezes, e não analisamos as respostas. 
Tentar fazer um encontro diário entre satisfação e necessidade. E não há segredo algum para tudo a que nos propomos, apenas a força de vontade.
É preciso deixar-se sentir leve...e ser leve...andar leve...esvaziar o peso interno que pondera em muitos momentos.

Cristina Lira

3 comentários:

  1. Boa tarde, Cristina.
    Ser leve em muitas situações tona-se praticamente impossível!
    São tantos os pesos, o modo errado como conduzimos certas situações que acabamos, por fim,nos enredando em teias grossas e não conseguindo sair delas.
    Que possamos, sim, sermos bem mais felizes e leves!
    Tudo de bom e excelente 2016;
    Paz, luz, amor, fé!
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  2. Depois de muito tempo afastada estou voltando com espaço novo. Aguardo a visita dos amigos queridos!

    momentosbrancoepreto.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Estou a tentar visitar todos os seguidores do Peregrino E Servo, e verifiquei que eu estava a seguir sem foto, por motivo de uma acção do google, tive de voltar a seguir, com outra foto. Aproveito para deixar um fraterno abraço.
    António Jesus Batalha.

    ResponderExcluir