terça-feira, 12 de junho de 2012

Realidade





Cansada de fazer previsões
De criar e recriar instantes
De traçar em minha mente perspectivas
Movida agora pelo desejo, apenas
Da realização das minhas metas
Dos sonhos que me embalavam a noite quando criança
Cansada das buscas sem sucesso
Agora luto com algo chamado
R E A L I D A D E

Não vou esquecer dos sonhos
Dos desejos aqui dentro tão bem guardados, agora.
Mas é bom saber dosar, de vez em quando
É bom não confundir, tanto
Daquilo que na realidade
Sempre pode ser um sonho
Quis muito enchergar futuro
E quase esqueci que o que importa é o presente
A partir de agora, luto com algo chamado
R E A L I D A D E


Cristina Lira


 
 



Das fases da vida


E percorre cada parte de mim
De uma forma que quanto mais explicada
menos entendida fica
Por que apenas eu, eu...e mais ninguém
Entende em perfeição
As fases pelas quais passam
Meus sonhos e pesadelos
Meus risos e cantos
E de tudo que não desabafo...desabo!
E como sempre foi
E jamais mudará
Coloco sobre os ombros
As dores que posso carregar
Com a sensação
De que não as poderei suportar
Mas apenas eu entendo
Ou os demais não querem entender
Ou querem, talvez,
Que eu os entenda.
Por que apenas eu
Sei das fases que passo...

Cristina Lira



Esquadros

Imagem da Internet

Nestes esquadros
Onde espasmos ocupam
Com ondas rítmicas
Todo o ser
Espasmos de uma mente
Elíptica, epilética
Excêntrica, esbelta
Mas falha...mas finita!
Espasmos conjugados
Ao ato de implorar incessante
Loucura de fazer coleção de sonhos!

Cristina Lira