quinta-feira, 19 de abril de 2012

Algo diferente




E agora, simplesmente...
Há algo bom, muito bom  acontecendo...
Um estado de ser em plenitude
E tudo porque...algo diferente está acontecendo agora...


Cristina Lira



Agora não






Horas em que se está de cabeça baixa, olhando sabe -se lá para onde
Ergue-se a cabeça e olha o vazio diante dos olhos
Respira-se fundo e repensaas decisões a serem tomadas
Algumas coisas são tão enigmáticas

As mãos vão ao rosto, gesto movido ainda pelo pensar...decisão tomada...
Ergue-se e encara o que tem para encarar
Com garra e decisão, não como quem se acovarda
Toda vez que a tropa inimiga aparece

E se alguma voz atrás gritar, chamar...
Sem olhar para trás, estende-se a mão na direção do som
E num gesto de "agora não" continua a jornada
Se for forte o bastante, nada irá fazer com que pare...nada!

Cristina Lira





Deixando os rastros


Pouco importa a estação do ano, só não se pode parar. 
Por que o sol perderia sua luz, e a lua não transportaria a nós seu brilho. 
Debaixo de tempestades, a altas temperaturas...e nos mais diversos e estranhos ambientes.
 Mas continuando a deixar os rastros no chão.
O vento passa e trás o melhor perfume das flores de primavera,
 enquanto nuvens sofrem condensação. 
Para-se um pouco, olha-se a volta. 
Ergue o rosto, e vê adiante, um caminho longo,
 mas que vale a pena ser percorrido para se saber onde vai dar.
 Pode ser uma estrada sem fim, 
mas o melhor acontece quando se estar a caminho.


 Cristina Lira


 

Pegadas de ida






Arrumei as cortinas após fechar as janelas
Conferi se estavam bem trancadas
Olhei o ambiente em volta, um nó na garganta formado
Peguei as chaves e as olhei minuciosamente
Pensamentos vagos
Olhar perdido nas paredes
Sai, fechei a porta.
Coloquei as chaves ao lado, num recanto do chão
Não são minhas as chaves, se fosse as jogaria fora
Mas as deixei ao lado da porta
Por favor, se a porta estiver fechada, não abra
Pois essa porta fechada não volto a abrir
Nesse espaço não quero mais ficar
Eu demorei a sair, mas acredite, se sai foi para não mais voltar
Agora caminho sem olhar pra trás
Sem a importância relevante de tudo por trás disso
Moveis, a casa, o ar, tudo no mesmo lugar
mas os rastros aqui deixados
Diante dessa saída que se transforma em caminho
Nunca mais terá minhas pegadas de retorno
Por que o que era hoje, passa a se chamar "nunca mais"
Não abra essa porta fechada, só por que a chave está ao lado
Não é justo...assim como nunca foi
Tudo que um dia pareceu ser
Guardo o melhor de tudo isso
Quanto a você...esqueça...como lhe convém!

Cristina Lira