quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Amor é pra vida toda



Colocava as sapatilhas numa pressa e começava sua aula de balé. Sonhava com os grandes palcos. Esforçava-se para ser a melhor, e era. Sua habilidade em movimentos encantava a todos. De certo será uma grande artista, arte está na sua carne. Assim comentavam. Acordava cedo e quase não tinha tempo para um café da manha. Dirigia-se às pressas a faculdade, depois aula de canto. A tarde vendia, na loja do seu tio, quadros que ela mesma pintava. Não se pode dizer que nesse trabalho tivesse tanto lucro, raramente vendia seus quadros, talvez pela falta de anúncios, divulgação...mas para isso não tinha tempo, logo, era contar com um pouco de sorte.
Amar? Não! Não sabia o que era isso. Gostara de algumas pessoas, sofrera por outras. Mas amar, isso ainda não lhe havia acontecido, e nem tinha esperanças de que viesse a acontecer, talvez por isso lotasse tanto seu tempo, com estudo, trabalho e suas telas.
Beleza, internamente. Um ser lindo. Externamente, apesar da juventude, expressões de cansaço a dominavam.
E do outro lado da rua, alguém olhava para o interior da pequena loja, curioso. Aproximou-se rápido, atravessou a rua sem demorou, e pensou consigo, “é isso”! Sem demora, foi logo perguntando, todo encantado, o preço das telas. Comentou ser o aniversário da sua mãe, e gostaria de dar algo um pouco significativo. Algo que a mãe, ao olhar, pudesse lembrar dele. As rosas quase reais de um dos quadros lhe chamou a atenção. Ela estava parada ao lado, a espera do resultado, se enfim levaria o quadro ou seria apenas mais um a olhar e sair, depois de dizer, obrigado! Ate que ele levantou os olhos para ela e apontou na direção do que queria. Ao passo que ela pegou o quadro e foi logo colocando num embrulho bem arrumado, até laço tinha. Enquanto ele contava o dinheiro que iria pagar pelo quadro.
Quadro embrulhado. E pago! Agradecimento. Troca de sorrisos educados.
Na tarde seguinte, ela estava a fechar a loja do tio. E uma voz logo atrás dela disse:
- Seu quadro trouxe grande alegria as paredes da casa, Melissa. Esse foi o comentário de mamãe.
Após tentar disfarçar o susto que tivera pela voz que pareceu vir do nada, compôs e foi logo perguntando como ele sabia seu nome.
- Desculpe-me, não lembro de ter falado meu nome. E quanto ao quadro, não recordo de falar que eram meus.
- Sim, de fato. Não falou! O seu tio, o Augusto, é gente fina.
- Ah! Tio Augusto! Foi ele?
- Sim, ele me falou que você é quem faz essas telas, lindas.
- Obrigada. Qual seu nome? É justo que eu saiba, já que você sabe o meu.
- Thadeu! Prazer.
- Ok. Thadeu. Fico feliz que sua mãe tenha gostado dos quadros, agradeço seu elogio. Mas tenho que ir, precisando...é só vir aqui.
- Você está indo para casa Melissa?
- Sim, tenho que revisar a matéria de amanha.Prova logo cedo, e depois aula de canto.
- Posso acompanhá-la?
- Que?...É...pode!
Melissa vivia muito jogada dentro do seu mundo de construção de mundo, e algumas ações e reações das pessoas para com ela, pareciam estranhas. Mas foram conversando. Sorrisos, não por educação, mas de pessoas que se agradam da conversa, começaram a brotar. Numeros de telefones foram trocados, e logo cresceu uma grande amizade entre Melissa e Thadeu. Cada um bem sabia das alegrias e dores que carregavam em seus corações. Sofrimentos já vividos, as alegrias memoráveis. Após as aulas de canto, Melissa dava uma passada na casa de Thadeu, as vezes almoçava por lá mesmo e ia para a loja. Quando não estava muito atarefado escrevendo seus poemas ou no consultório da mãe, agendando as consultas, voava em direção a pequena loja, e ficavam batendo altos papos. As vezes o tio Augusto entrava na loja e se assustava com os dois, pois era bem capaz, alguém levar a loja embora e eles nem notarem. Melissa mostrava os novos quadros, ou falava sobre o que iria pintar. Thadeu lhe trazia os poemas, Melissa amava ler.
Uma tarde Thadeu não apareceu na loja. Melissa estranhou e ligou pra ele. O telefone apenas tocava...e nada. Ninguém atendia. Ao ver a ligação, Thadeu enviou uma mensagem, dizendo que tudo estava bem, depois contava tudo. Naquela tarde a ex namorada de Thadeu resolveu aparecer, bem na hora de sua saída para Melissa, ele tinha um poema pra lá de especial para mostrar.
- Júlia? O que você faz aqui?
- Thadeu, como vai? Olha, foi uma grande bobagem tudo que falei. Esses meses longe de você, só me fizeram sentir que te amo, gosto de você. Estive com outros caras, mas... bom, gostaria de continuar nossa história. Prometo que vou mudar.
- Julia, já vi esse filme. Você me deixa num canto qualquer e depois volta pra me buscar. Eu não sou brinquedo, fui muitas vezes. Júlia, eu gostei pra valer de você. Chorei por você! Implorei para que ficasse comigo. E no dia da morte do meu pai o que você faz? Me diz que conheceu alguém bem melhor que eu, menos infantil. Alguém com mais tempo e com menos poesia. No dia da morte do meu pai, você trouxe as poesias que te fiz, e as rasgou bem na minha frente. Sabe, eu não guardo rancor, nenhum pouco. Eu gosto de você, mas não te amo. Na verdade nunca amei. Eu te quis, e isso não é amar. Posso querer qualquer coisa, e não ter amor por essa coisa.
- Ok. Quem é?
- Quem é o que?
- Quem é ela? Em que ela é melhor? Ela anda de salto melhor que eu? Dança melhor? Tem mais contatos? O que?
- Não Júlia. Ela não anda de salto como você anda. Sabe, ela não usa sandálias de saltos assim como os seus. Se ela dança melhor que você? Você sabe dançar Balé?
- Não, claro que não. Não gosto dessas coisas...
- Bom! Contatos? Não é? Não Júlia, ela não tem contatos como você. Ela vive um pouco sozinha.
- Droga! Será que você pode me dizer o que ela tem de bom. Coitada! Se é que tem algo que preste.
- Não fala assim! Você não a conhece. Júlia, ela rir comigo. Chora comigo. Divide comigo suas dores e alegrias. Compartilha sua marmita até. Ela sente minha falta! Mas não é isso que a torna especial, isso qualquer um faz. Embora duvido que você possa ser capaz, se você apenas enxerga a você. O que a torna especial é ela. Apenas isso. Ela existe. Ela não precisa fazer nada demais, apenas existir.
- Ok. Thadeu. Já vi que você não está bem. Quando melhorar me liga. Quando sair do seu conto de fadas e de suas fraudas.
E fervendo por dentro, Júlia foi embora. Era sim uma boa pessoa. Seu defeito era achar-se superior a tudo e a todos, e não saber amar. Qualquer um pode falar de amor, e ainda assim não saber como se ama. Como se faz isso. Qual a formula. O que na verdade é simples.
Pois é, Thadeu amava Melissa. Melissa amava Thadeu. Faltava apenas a declaração.
Melissa pela primeira vez, podia pensar em alguém de forma diferente. Ela pensava constantemente em Thadeu, mas era diferente. Ela se questionava o porquê daquilo, mas a resposta estava em seu coração, que bradava que amava. Pela primeira vez sentia que amava verdadeiramente. Mas tinha um porém, Thadeu de nada sabia, e ela não tinha o menor jeito para chegar e falar isso. Tinha medo de que o amor dela o assustasse. Ela sentia que o amava tanto que se ele soubesse disso poderia a deixar, e até esquecer sua amizade. E Melissa tinha razão, o amor parece que assusta algumas pessoas. Amor é uma aliança que se estabelece, um compromisso que se firma humildemente. Onde tudo é doação e jamais cobrança.
Uma noite, Melissa sentiu tanta falta de Thadeu, que chorou antes de dormir. Lágrimas lhe banhavam o rosto. Isso aconteceu no dia que ele não foi a loja, por conta da visita de Júlia. Ele havia feito uma poesia linda para Melissa. Mas não podia Le-la com aquele humor, por mais que tentasse ele não conseguiria. Thadeu sabia uma verdade em seu coração, que amava a Melissa, como jamais pensou que pudesse amar alguém.
De manha, o celular alarma. Uma mensagem. Melissa lê e sorri, estava escrito:
- Hoje te levo para a faculdade! Aparece logo, saudades!
- Thadeu?!
Melissa sorriu demais, terminou de se arrumar aos pulos. O coração saltitava. Como eles conseguiam se amar e não falar? E ela abriu o portão de casa, e num gesto inesperado abraçou-o forte, ele também a abraçou carinhosamente. Sentindo o perfume que ainda estava evaporando em seu pescoço.
- Tudo bem Melissa?
- Tudo Thadeu! Você não apareceu ontem. Não ligou depois. Fiquei preocupada, sabia!
- Calma. É que fui abdusido! Eles eram horríveis, monstros de todos os lados e queriam me esfatiar...tinham olhos gigantescos e verdes, mãos de rãs...e....
- Para, por favor!!! Você parece um tanto louco as vezes...
- ok. Paro. Mas as mãos deles eram gosmentas.
Melissa sorri.
E seguiram rumo a faculdade, Thadeu contou da visita inesperada da ex. Melissa sentiu goles frios de ciúmes descendo por sua garganta. Thadeu não chegou a contar a parte da conversa que falaram sobre ela.
- Mas não vamos voltar não!
Disse ele, já que a pergunta não vinha.
- Sabe Thadeu, eu acredito muito em algo.
- Em que?
- Amor...amor de verdade...amor é pra vida toda! A paixão passa. Nós nos iludimos muitas vezes, talvez isso seja uma forma de sermos moldados, ou não. O fato é que as pessoas muitas vezes deixam o amor passar, ou por que estão ocupadas demais para suas tarefas, ou por que não acreditam que sentimentos verdadeiros existam, tão feridas estão. Confesso que sempre vivi esses anos dentro das telas e nos passos do balé. Mas sabia que o amor chegaria.
- Ele chegou? Você sabe?
- Mas tarde nos vemos, não é? Tenho que ir agora, se chego atrasada não vai ser bom!
- Ah, claro! Nos vemos sim. Estarei na loja. Me aguarde!
A tarde Melissa vai para a loja, atende alguns clientes. Depois fixa os olhos num envelope dentro de sua bolsa. Abre devagar, após um suspiro. Os olhos ficam marejados. Ela dobra o papel, guarda na bolsa, e fica olhando a rua. Calmamente...
Thadeu a ver distraída, entra pela porta lateral da loja, e ao chegar perto a abraça. Ela se volta para ele e devolve outro abraço, dessa vez, longo. Abraço de quem se abandona nos braços do outro e não tem a intenção de sair. Ela sente que aqueles braços lhe transmitem um amor e uma segurança que nenhum outro já lhe transmitiu.
Thadeu lhe afaga os cabelos. Sente ter em seus braços a pessoa mais importante de sua vida. Entrelaçam as mãos. Thadeu ergue a cabeça de Melissa com mão direita, com a delicadeza de alguém que sustenta uma linda pétala de rosa. Os dois trocam sorrisos e olhares serenos. Nenhuma palavra seria necessária nesse momento. Um beijo, inocente, puro e tomado de amor, se faz. E um longo abraço depois.
- Pra você!
- O que é isso Thadeu?
- Veja!
- Um poema! Mais um de sua coleção?
- Não! Esse é o melhor de todos os que já fiz!
- Vou ler...

Amor é pra vida toda
Não nasce de qualquer jeito
E não morre por nada,
Amor não passa!

E nesta poesia cheia de sentimento
Te confesso todo sedento
Que feliz se encontra minha alma
Pois encontrei a minha amada

Sei que te amo, amor de verdade
Não sentimento vazio
Sem compromisso ou lealdade
Diz que me ama e me tira dessa saudade
O que tenho para te dizer
É tão intenso e verdadeiro
As palavras que no meu coração clamo
Melissa, eu te amo!

Thadeu, ao perceber que ela terminou de ler. E disse:
- Melissa, eu te amo! Sei que não tem nem tanto tempo assim que nos conhecemos, mas te amo! Tentei dizer isso semanas atrás. Mas tive medo. Estou com medo. Fala alguma coisa.
- Thadeu! É... eu...jamais imaginei que encontraria alguém como você.  Pensei que estar sozinha seria a melhor opção. É impossível não te amar. Thadeu, eu te amo! O que sinto por você é imenso. Sabe...Eu nunca senti isso antes.
Os dois se beijam novamente. E começam as confissões. Um conta ao outro do amor que estava guardado. E dizem mais umas...umas...nem sei quantas vezes, que se amam. Thadeu e Melissa, contam as famílias, e logo todos os amigos, familiares e conhecidos ficam sabendo. O primeiro foi o tio Augusto, que ficou muito feliz. Ele, no seu intimo, já havia percebido que algo havia ali, entre aqueles dois, e mais cedo ou mais tarde, brotaria. E foi o que aconteceu. Um lindo amor floresceu.
Semana depois Melissa telefona para Thadeu:
- Alô? Está tudo bem Doutora Tarsila? Thadeu está?
Doutora Tarsila era a mãe de Thadeu. Após trocarem os devido cumprimentos. Tarsila vai chamar o filho.
- Amor! Tudo bem?
- Tudo Mô! Preciso falar com você.
- Ah! Claro, estou indo na loja.
- Não Thadeu, estou em casa.
- Em casa? Tudo bem, chego já. Beijos, te amo.
- Te amo, vem logo, estou morrendo de saudades.
- Agüenta só mais um pouquinho, e não morre, se não morro também.
Os dois dão algumas gargalhadas, e se despedem.
Tempo depois, Thadeu chega a casa de Melissa.
- Mel?
- Oi Thadeu. Entra.
- Você vai me deixar entrar assim, e se eu for um vampiro. Você nunca assistiu aqueles filmes???
- Amor, essa não é a primeira vez que você vem aqui. Já te deixei entrar em casa a tanto tempo. Engraçadinho.
Thadeu entra, vai logo abraçando a mulher de sua vida, dizendo que a ama muito. Melissa se sente feliz demais por estar com ele.
- Então meu amor, o que você quer falar comigo?
- Thadeu, você me ama?
- Melissa, claro que te amo. É com você que quero estar todos os dias da minha vida. Por que a pergunta?
- Thadeu, eu te amo. Você é tudo que tenho.
- Amor, o que há?
- Thadeu, lê!
- O que é isso? Exames? Mas, você não me falou que iria a médico? Você está doente?
- Leia amor.
- O que?
Os dois se abraçam, e choram...
Os médicos diagnosticaram que Melissa estava com um tumor na cabeça, e precisava se submeter a uma cirurgia rapidamente. Deixaram claro que era de risco, e o tumor estava num estágio avançado.
- Não importa o que venha a acontecer. Te amo e vou ficar ao seu lado.
- Amor, eles disseram que posso ficar sem andar.
- Amor, eles disseram isso. Deus não escreveu isso pra você.
Nos meses que antecederam a cirurgia, Melissa já não se sentia tão bem. Fortes dores na cabeça,ficou um pouco magra. Seus movimentos não eram os mesmo. E para muitas coisas começou a depender dos outros. Melissa chegou mesmo a pedir a Thadeu que a deixasse, e fosse encontrar um amor saudável, alguém com quem ele pudesse rir, sair, dançar. Alguém que não atrapalhasse e o fizesse perder horas. Ela se sentia mal, e chorava quando estava sozinha. Thadeu afirmava que a amava e não a deixaria por nada, e que juntos passariam por aquilo. E acrescentava:
- Você é a mulher que amo. Não quero um rosto bonito, um corpo perfeito. Quero uma mulher de verdade, que saiba amar de verdade. E você é essa mulher, eu te amo.
- Thadeu, meu amor, não importa o que aconteça, eu te amo. Desculpa falar assim...Na verdade te quero do meu lado sempre.
No dia da cirurgia Melissa não estava bem. Mas sorria radiante. Todos estavam temerosos, com medo do pior. Mas apesar de tudo, da dor imensa daquela situação, Thadeu e Melissa estavam juntos, e se amavam. Por que amor não é feito de instante ou momento. Não é algo que nasce e depois se acaba. Amor nasce pra não morrer, e nunca morre.
Felizes e confiantes,e com um medo escondido, os dois se despedem. Melissa vai para a sala de cirurgia e Thadeu vai fazer a única coisa que sabe que pode fazer, falar com Deus. E enquanto Melissa esta na mesa de cirurgia, Thadeu se Poe na presença de Deus.
Na sala de cirurgia:
- O que estava havendo? Mantenham o controle! Não podemos perde-la.
E Thadeu com os olhos banhados de lágrimas:
- Senhor, sei que muitos já esqueceram de ti. Outros te procuram na hora da dor. Eu te amo Pai, e agora no meu desespero também recorro a vós. Sei que me destes a Melissa, e agradeço. As pessoas hoje não falam contigo, elas fingem que falam para tentarem se convencerem, eu sei disso, eu fui assim. Mas clamo, eu sei que e ouves. O amor é pra sempre, teu amor é eterno. Eu sou passageiro, mas permita que Melissa possa ser passageira comigo. Seja feita a tua vontade Senhor, estou te pedindo por Melissa, por que o Senhor nos ensinou pedir. Eu cuido dela Senhor, eu me torno os pés dela se preciso, as mãos...o Senhor me ouve? Sim, me ouve! Obrigado.

E chorando como criança Thadeu permanece horas orando, falando com Deus.
A cirurgia termina. Os médicos não sabem ao certo o resultado Mas ao menos viva ela estava. Dias depois Melissa e Thadeu se falam. Ficam minutos abraçados.
- Amor, você está linda!
- Mentiroso!(Ela ri) Obrigada.
- Ele disse que seria o condutor de um belo trem, e nós dois seriamos seus passageiros.
- o que? De que você está falando? Quem disse isso?
- Ele!
Melissa apontou para a janela em direção ao céu.
- Deus me falou isso, na hora da cirurgia. Eu sei que falou. Sua voz ressoa aqui dentro.
Thadeu chora! Pois lembra de sua oração.
Melissa tem uma boa recuperação. Os dois começam a fazer planos para o casamento. O próximo passo do jovem casal. Melissa e Thadeu passaram por uma situação difícil. Eles temeram perder um ao outro. Jamais passou pela cabeça de Thadeu deixa-la. Andavam sempre juntos, de mãos dadas. Muitas vezes abraçados. Eles se olhavam e sabiam que se queriam, não por instantes, ou pra não estarem sozinhos. Não era uma necessidade humana, era bem mais que isso. Era amor. O sentimento capaz de transpor qualquer barreira. Eles se amavam. E vieram muitos outros momentos tristes para os dois, mas eles se abraçavam, se apoiavam e resolviam tudo. Eles sabiam que o primeiro amor deles era com eles, Deus.
Amor de verdade é pra vida toda.


Por Cristina Lira