sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Viver?



Não há nada de estranho em se querer viver!
O estranho acontece quando se tece uma vida acoplada na vida dos outros.
Mas viver e aproveitar tudo com humildade no coração, é perfeitamente normal.
Viver cada dia por vez, é sentir as parcelas de um grande milagre, nossa existência!


Cristina lira



Nova rota



E depois da tempestade passar, os ventos fortes pararem de soprar. Eis que a frente ainda um grande abismo, há um pedaço de chão que não dá em nada, e todo o curso de rio que estou mergulhada segue para lá. Num caminho que depois de metros a frente, nada mais tem, apenas uma queda livre, que não termina em lugar algum. Mas antes desse precipício existe uma trajetória, existem duas opções, a aflição de se esperar que a correnteza arraste tudo adiante, ou a esperteza  de traçar um plano,  mudar a rota, e sair da linha de risco.
E numa situação que aparentemente não há saidas. Há sempre uma "carta na manga", algo que se pode fazer para reverter o quadro. Existe sim uma nova rota a se tomar, por mais estranho que o novo caminho possa parecer...

Cristina Lira



Lugar seguro


Pegando todas aquelas garrafas com cartas e pedidos
Que seriam lançadas ao mar
Recolhendo todos aqueles desejos que foram escritos
em pequenos pedaços de papeis para serem jogados ao vento, dados ao tempo.
Retomando tudo importante que estava gravado em muitos lugares
Menos dentro de mim...
As cartas não serão jogadas ao mar
Os papeis não serão dispersos no ar
Nada mais será gravado num lugar qualquer
Descobri que bem melhor que o mar, o ar...
É que, tudo que quero, não vá parar num baú de realizações futuras
Mas que sejam meditados todos os dias dentro do meu eu
Para que assim não caiam no esquecimento
E não os deixe abandonados num canto qualquer
Pois o melhor lugar que meus sonhos e desejos podem estar, é dentro de mim!


Cristina Lira




Horas passadas e horas chegadas


O minuto passado
A hora já ida
Nada pode trazer de volta
Os segundos já gastos

A palavra engolida a seco
A palavra acida falada
Os olhos fechados por medo
O abrir os olhos depois de um grande evento

Apenas o desejo de que se volte
Não volta o que passou
Mas o desejo de grandes coisas
Muda o minuto que está para chegar

As mudanças não giram em torno
Do que se passou há poucos minutos
Mas em prol da vontade de se fazer diferente
Nos minutos que estão a frente...


Cristina Lira