segunda-feira, 17 de setembro de 2012

De pé na estrada, na minha estrada...

Imagem da Internet

Um pouco cansada dos mesmos caminhos, das mesmas palavras.
Dos mesmos rostos me assombrando toda noite como espiritos sem luz.
Cansada dos palpites de quem não entende minhas metas e nem se quer imaginam por onde estou construindo meu caminho.
Assustando alguns por não estar entrando nos padrões que querem.
Não...não..nasci para ser colocada em moldes ou ser uma raiz determinada.
Sou o número que participa do infinito.
A letra que não tem no alfabeto.
O rastro que o vento apagará.
Mas sou o que quero ser, em considereção e amor a todos a volta.
Mas jamais serei o que todos a volta esperam que eu seja, por que apenas eu e mais ninguem sei do meu caminhar, apenas eu sei a quantidade de espinhos que perfuraram meus pés, as lágrimas que irrigaram as minhas terras secas.
Portanto, vou passando.
Desculpe-me se não pedir opinião. Mas ajuda bastante se sempre estiver junto...juntos em amizade e amor.
Todos sempre estarão nas minhas melhores coleções do album da vida.
Então...eu estou seguindo, e estou feliz, muito feliz.
E caso alguem tente sabotar meus planos, primeiro precisará de um mapa para encontrar meu caminho, e este, sou eu...


Cristina Lira







4 comentários:

  1. Cansamos, paramos, retomamos, rumamos e (as vezes) encontramos. Mas é certo que sempre chegamos a algum lugar, e mesmo que não seja o lugar idealizável, sem dúvida alguma que aprendemos muito com ele, qual quer que ele seja.
    Passos, corridas ou caminhadas, pouco importa o ritmo, o que queremos mesmo é chegar.
    Entretanto no fim de tudo, o ritmo é que faz a total diferença e por isso existem coisas no final, que não sabemos explicar, pois passaram despercebidas, corridas ....
    Viva intensamente. beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi menina Cris...como prometido vim ler tudinho em meu dia de folga...estou aqui há umas duas horas...hum rum...pq precisei me atualizar e, além disso, reler tuas homenagens..e aí, bom, aí chorei...hum rum...mesmo aos 5.5 aindo choro quando me emociono....hehehehe...
    A gente se "afasta", fica fora do ar uns tempos, mas não deixa que tempo, distância e constância diminuam o carinho e o amor por aqueles que um dia nos fizeram tanto bem...e seguem fazendo...hum rum !
    Li muitas de suas postagens, compactuando com tudo que escreveu, principalmente nesse texto, já que nós "produzimos" nossa felicidade e construímos nosso caminho, pouco importando a opinião dos outros, já que nosso livre arbítrio é quem rege a caminhada nesse mundo carnal. Caminhamos, caímos, levantamos, dependendo muito mais de nós do que daqueles que nos cercam. Claro que ajudas são sempre benvindas, claro...mas nós ditamos o ritmo de tudo...tudo...
    Espero que nossa amizade perdure por muitos mais anos, e desejo de coração que continues sendo essa mulher/menina maravilhosa e cheia de vida. Não permita jamais que te tirem essa aura de encanto e amor pela vida e pelo semelhante.
    Um beijo carinhoso e saudoso, muitos xerosssssssssssssssss e que tua semana seja como você : Maravilhosa ! Inté mais...

    ResponderExcluir
  3. Que texto maravilhoso Cristina!
    Amei o todo dele, mas este trecho me deixou sem ar:"Sou o número que participa do infinito.
    A letra que não tem no alfabeto.
    O rastro que o vento apagará".
    Lindo!
    beijos no coração

    ResponderExcluir
  4. Cris,
    Que belíssimas palavras que resumem bem também meu pensamento na questão da convivência com os demais. Gosto dos verdadeiros amigos que respeitam minhas opiniões e veja a vida de uma forma única.
    Abraço, beijo querida amiga!

    ResponderExcluir