Passageiros somos

Imagem da Internet

Passageiros somos
Deste tempo que se vai rápido
E fingimos que ele é eterno
Passageiros, alguns de auto ego
Outros sentados, vendo o tempo...passar...

Passageiros somos
E perdemos a bela vista
Do outro lado da janela
O sorriso que desponta
Vai o tempo, tempo a passar...

Passageiros conformados
Outros tantos apressados
Alguns deixando o amor passar
Embalados pela triste visão
De quem imagina que sabe o que quer

Passageira nesse tempo
Sou por completa apenas pó
Aqui dentro, no meu peito
Carrego raios de amor
Que fazer se só me resta as pétalas
Sem néctar pra beija-flor

Passageira que segue adiante
Mas sem medo de falar
Carrega nos pensamentos andantes
Memórias de quem sempre vai amar
As vezes me poe a sorrir
Outras vezes me deixa chorar

Que fazer passageiros do tempo
Se não na condução embarcar
Pudera levar comigo
Todo esse lugar
Mas deixo as palavras de recordação
Quando nada mais permitem ofertar.

Cristina Lira

 

 

Comentários

  1. Passageiros para lugares distantes.Beijos.

    ResponderExcluir
  2. somos passageiros que buscam estar em algum lugar bom!
    seu poema é lindo muito profundo .
    abraços

    ResponderExcluir
  3. Somos eternos passageiros do amor...um abraço Luciana

    ResponderExcluir
  4. "Passageira nesse tempo
    Sou por completa apenas pó
    Aqui dentro, no meu peito
    Carrego raios de amor
    Que fazer se só me resta as pétalas
    Sem néctar pra beija-flor" MARAVILHOSO

    ResponderExcluir
  5. Estagiários, passageiros, navegantes na nave do amor. Nave que navega e voa ao mesmo tempo.
    Parabéns, CRIS. São lindos os seus versos.


    Te desejo uma ótima noite de quarta-feira.
    Um grande abraço.
    Tati.

    http://tatian-esalles.blogspot.com.br/

    Att.

    ResponderExcluir
  6. olho o tempo passar, à espera do amor que virá numa dessas paragens..

    bjs.Sol

    ResponderExcluir
  7. Oi Cris! Sua casa e você são lindas. O poema é maravilhoso. Tempo que passa e não pára. Ótimo fim de semana. Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Um sótão cheio de lembranças
    Escrevi no pó palavras sem nexo
    Retirei uma cartola de uma caixa de cartão
    E senti ao toque o poder da ilusão

    Ilusões…
    Um cavalo de pau perdido ao carrocel
    Uma estola de um bicho qualquer
    Uma escultura talhada a cisel

    Uma foto a preto e branco
    De uma mulher sem rosto
    Uma janela virada para nenhum lado
    Uma traquitana a imitar o sol-posto

    Bom fim de semana

    Mágico beijo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Um dia você aprende... - Willian Shakespeare - ( Um dos textos que gosto)

Valorize a pessoa que está ao seu lado e que te aceita como és...

A vida passa rápido demais