sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Vida vanguarda



Acordo e imagino quais serão as surpresas do dia.
E esquematizo meus planos A, B, C...
Mas com uma certeza... a vida sempre surpreende com algum acontecimento.
Viver é uma eterna vanguarda!
Você imagina, pensa, traça metas...afinal, é necessário objetivos.
E as surpresas vem quando você pensa que  o dia vai ser aquele terror, e na verdade não acontece nada do esperado e o que seria trágico se transforma no melhor dia da semana. E o que você planejou com tanta dedicação começa a surtir falhas, como tijolos caindo de uma parede, e de repente tudo fica uma bagunça, e calmamente ou quase explodindo se vai contornando, reorganizando.
Não dá pra prevê nada, podemos criar nossas hipóteses, teorias, investigar.
É bom demais que a vida seja assim, um baú gigantesco de surpresas.
Que bom que não temos a capacidade de saber o que vai acontecer amanha, mas temos o milagre de se viver e enfrentar as provas que nos serão impostas.
Quando o dia amanhece, na minha cabeça amanhecem também várias ideias, um mundo delas...e algumas são tão doces de imaginar, que encho novamente a xícara com café, pra ficar mais um pouco pensando.



Cristina Lira





Céu da mente





Abriu as portas, chuva forte lá fora. Largou o guarda-chuva, e seguiu a passos rápidos pelas ruas, a roupa sendo tingida pela água...ruas que não acabavam mais, cabelos pesados pela água da chuva. Retirou a sandália dos pés, começou a correr, rosto molhado, talvez por outra água, outro liquido de não cair do céu, talvez do céu de sua mente.Cenário cinza, frio...e por fim chegou próxima a uma árvore, onde caiu e deitou, num abraço próprio, e expressão facial de quem expulsa-se de si mesmo, permaneceu ali...enquanto a chuva lavava seu corpo, e as lágrimas, sua alma. Um bom tempo depois, as nuvens cessaram, e um sol alaranjado, de raios frios, ergueu-se, fazendo sumir aquele acinzentado. E abriu os olhos, pesados...sorriu levemente. E sentiu que algumas tempestades devem mesmo cair, e com força...depois o sol apareçe suave, aqueçe e renova. Levanta...mais leve!


Cristina Lira