quinta-feira, 30 de junho de 2011

Fazer crescer a alma

Como cansa explicar fatos e momentos para as pessoas grandes, elas não entendem mesmo, elas não sentem mesmo.
São tão inteligentes com valores e quantidade, mas se perdem muito na hora de sentir.
Passos grandes com alma pequena.
Ao ver um pedaço de chão sem vida, lamenta pela seca devastadora, pessoas pequenas com alma grande procuram fertilizar, fazer brotar vida (talvez não esteja falando exatamente de solo). Se alma de criança não se pode sentir, não é ser infantil, é sentir verdadeiramente, ver a simplicidade dos dias, enxergar além dos olhos.
Por isso que, o mundo aos olhos de uma criança é puro, ela sabe enxergar a simplicidade, e quando cresce e preserva esse olhar, consegue mudar o que tem ao redor, consegue agir a medida que contempla.
É preciso crescer, mas não se pode perder a pequenez da essência que engrandece a vida.
Fazer a alma crescer, que seja em simplicidade.

Cristina Lira


Motivos em vão




E olhando para sua confidente no espaço, deixou cair toda parede que a erguia, cada reboco que sustentava sua alma. Pois quanto mais sorria, mais chorava por dentro.
Mas aprendeu a arte do disfarce.
E embora que seu ser esteja estilhaçado, aprendeu a sorrir.
Não! Nenhum motivo...
Não fora ferida por palavras.
Não fora ferida por ações
Nada!
Poderia tentar explicar, mas não entenderiam, e já tentou tantas vezes...
Ela é tão pequena, e carrega tantas dores, mais que o necessário. Jamais bebeu uma taça de alegria sem que depois fosse obrigada a engolir milhares de outras taças transbordantes de tristezas.
Mas por amor, se mantém.
Só não se sabe por quanto tempo ela ainda irá resistir, suas forças parecem inesgotáveis, mas não são, apenas parecem!

Cristina Lira