terça-feira, 3 de maio de 2011

Insistindo...



Não se pode fazer construções em cima das areias do mar, ou nas teias de aranhas soltas no ar,
Não se pode caminhar, quando se estar a afundar, em meio a uma areia movediça
Não tem como voar, se a asa cortada está.

Mas nada é imutável assim que não se possa mudar
Nenhuma história chega ao fim antes da trama acabar
É preciso insistir um pouco mais e mais... 

Nenhum poço é tão fundo quando se tem uma escada por perto
Nenhum abismo é tão infinito assim, quando ao redor existem montanhas de cordas
Não se pode viver apenas de "ais"
É preciso sempre insistir um pouco mais...e mais!

Cristina Lira


Medidas


Não quero o excedente...
Nem tão pouco o restante...
me contenta o suficiente!

Cristina Lira


Eu?



Desculpe!
estou indo ser feliz...

Cristina Lira

Sinceramente?


Sinceramente...?
Inocência já é uma palavra que não me cabe mais, embora a fragilidade me seja companheira. Não confunda meu jeito de ser com o da maioria, não me enquadro nas categorias que escolhem para construirem ruínas de perfil. Ainda não sou nada do que desejo ser, mas não serei o que você quer que eu seja. 
Passo de leve, porque sou assim, imprevisivel... como o tempo, imprevisivel.
Não me confunda com a boa menina quieta a espera dos pais, não me confunda com um móvel que é arrastado até o desgaste. Não erga imagens em sua mente de como eu possa ser, simplismente me conheça, sem precisar me construir de uma forma que jamais poderia ser.
Sinceramente, não espere de mim coisa alguma, nunca carrego nada comigo que possa ser dado ou trocado.
Não espere que eu possa sorrir, depois que já me irritaram, não espere que eu vá e escale montanhas depois de me sugarem o ar.
Não queira me por em torres altas, sempre preferi os porões. Não, nunca fiz o tipo desventurada, antes permaneço olhando...como o tempo gira, como tudo ao redor se rearranja depois que a água barrenta passa. Sou tão sem dono quanto um bicho selvagem, então... não tente prever minhas palavras.
Faz tempo que esqueci as regras que ditaram...
Sinceramente...? Só quero ir passando... caminhando, quieta... seguindo o ritmo dos sons que mexem comigo, só quero ir passando, com direito a deixar minhas pegadas também.

Cristina Lira




Uma dose



Quero uma dose anestésica para não sentir toda essa dor de outras dimensões.
Uma dose de alegria, para disfarçar todos os dias que chorei, que remendei as feridas.
Uma dose de amnésia, para esquecer tudo que a noite me tirar o sono, pra esquecer um pouco de tudo que me pesa a mente, quero a leveza, apenas a leveza.
Uma dose de exagero e perda de pose, uma dose  de descontrole... para equilibrar os lados.
Quero uma dose de mim nas veias, eu, puramente em mim... ando me esquecendo nos cantos da casa, e nos lugares onde passo.
Quero uma dose...forte! De tudo que me faça feliz!

Cristina Lira