terça-feira, 19 de abril de 2011

Cuidando de mim



Não me aprisione, não guarde meus braços onde eu não possa alcançar, não quero uma
Prisão
Um lugar invertido
Não quero um caos de indecisões
Solte minhas mãos, solte-me... já aprendi a andar, e já arrisco a voar.
Não imagine que estarei sempre contando as horas e soprando no vento.
Nunca pisei nos rastros dos outros, porque quero meus próprios rastros.
Não pretendo parar, não se anteponha a minha frente, não se pode conter as ondas turbulentas que escapam dos mares, não tente me conter...
Apenas acompanhe, observe, como sei sair sozinha, como sei debochar sozinha, de todas as prisões que tentam me jogar.
Eu sei, sou ultrapassada para esta época, mas quem disse que quero acompanhar o tempo, muito mais que isso, quero vive-lo...solte minhas mãos, eu sei andar, observe como isso acontece, você se espantará, quando me ver caminhar. Engana-se com minha garra, com minha capacidade. Solte meus braços, sei lança-los adiante do que quero.
Não me aponte as estradas, isso me irrita, sou tão ignorante quanto petulante. Agressiva, enjoativa... e tantos outros jeitos de ser quando quero fazer tudo ao meu modo, não me sufoque, quero respirar por mim mesma, quero fazer o que sei, dispenso os manuais de instruções, na verdade odeio manuais de instruções.
Sei como andar, sei como cair... observe, agora, como sei levantar, observe minha facilidade... não tome meus sonhos, não tome meu ar.... posso ser os acúleos das rosas, ou a própria rosa, depende de como você me toca.... e do espaço que me sede.
Se me empurrar, veja só, observe em câmera lenta, como sei levantar, sou feita de muitas quedas, e em todas elas tenho o ponto exato do equilíbrio.
Não aprisione meus desejos e anseios, vou pega-los caso os roube de mim, não estou tratando de acordos, jamais faço acordos, meu único acordo sou eu...
Não... não mesmo fico quieta, faço barulho e muito, tente me deter, tente intervir e bloquear a estrada que estou passando, de brisa a tornado, sou tudo e mais um pouco, não pise na arena se não conhece as regras, não jogue com as táticas absurdas das guerras.
Mas com tudo isso, sei me levantar, observe apenas e se assuste... depois que me ergo não posso parar, e é melhor não estar em meu caminho quando erguer meu olhar.
Mas entenda, só quero cuidar de mim, antes que os estilhaços se espalhem e me seja impossível juntar todas as partes.

Cristina Lira


Não deixe que te roubem de ti


Não permita que os outros tomem decisões por você, e que até sejam sua voz. 
Não permita que seja de outros os rastros dos teus passos e o som do teu sorriso.
Limite-se a impor limites.
Não chore por motivos vazios.
Sorria sem motivo, não acostume-se a ideia de que para ser feliz é preciso de que alguém venha e te faça feliz. As pessoas completam nossa felicidade, pois parte dela já é formada em nós, por que parte dela somos nós.
Não deixe que te manipule, que te comande...
Não faça do seu ouvido um armazém para palavras insensíveis, guarde apenas os bons sons e os reproduza sempre que possivel.
Use de delicadeza e amor até para com os mais humanamente inflexiveis, não se contamine com a tristeza, seja fonte de alegria, ou pelo menos tente ser, e se não conseguir...não tem problema... amanha é um novo dia, um novo momento, com novas chances...
Que teus passos deixem marcas firmes no solo, para que outros ao te ver acertar te sigam também.
Que teu sorriso mostre além de uma boa expressão facial, que conte segredos a alma dos tristes, para que eles, encorajados, possam sorrir também.
Que suas palavras acalentem, emocionem e defendam os que estão a sua volta, com sabedoria.
Que seu abraço seja aconchegador para os que dele precisarem.
Mas em momento algum se torne escravo daqueles que idealizam a felicidade as custas da tristeza alheia.
Se chorar... que possa ser de alegria.
Se a revolta te pesar que seja em prol da proteção de um inocente.
Quando o amor a ti se achegar não o guarde em ti, mas o distribua por completo, e sempre o encontrará em maior quantidade, pois o amor não se esgota, e nem nós nos esgotamos em usa-lo.

Não deixe que te roubem de ti...antes seja doação...

Cristina Lira


Meus sons

Das palavras que falo
São com sons de sentimentos
Não questione, se conseguir aceita-las,
Não queira saber o significado,
se as consegue vivenciar..
Meus sons falam de mim
Em cada palavra articulada
E até nas ditas por engano
por que minhas palavras sou eu
Me reproduzindo em outro estado
Além do que podem me ver
Não questione os "porques"
Se conseguir me ouvir, me ouça então...
Isso, já é suficiente!



Cristina Lira




Ilhas


Despi das janelas o zefir e avistei as embarcações que chegavam no balneário, corri...desci as escadas e fui de encontro as mercadorias trazidas, a minha havia ficado no alto mar, e para ir de encontro ao meu querer, zarpei em destino quase escrito, mas ao perceber que o pacote estava numa ilha, se escarneceu meu espírito só em imaginar no lugar isolado que meus pés pisariam, na inquietude da minha alma voltei sem o que queria mas para onde devia estar...longe de ilhas...

Cristina lira

Procurando motivos



Sobe e desce
Corre e se cansa
Se esvazia e se preenche
Faz e desfaz as malas
E ainda jaz
o vazio
em seu peito...

Cristina Lira