sexta-feira, 8 de abril de 2011

Secura...


Uma voz grita forte no meu peito. Igual a de um prisioneiro aos berros, de boca seca, clamando ajuda. Igual ao grito final de uma pessoa assassinada.
Uma voz grita porque não quer ficar calada, sufoca...toma o ar.
Grita, igual nos pesadelos que nos fazem ficar ofegantes, onde se grita e a voz não sai. O clamor do meu peito é por Justiça e um mundo de Paz.

Cristina Lira