sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Acordando antes da vizinhança



Ela acorda cedo, abre a porta e vai pra fora de casa, sentir o perfume da manhã que se esbanja pela rua. 
Sentir...
O cheiro do café que corre desgovernado pela vizinhança, entrando narizes adentro.
O cheiro do cachimbo do velhinho, que vê na fumaça ameaçadora os tempos de glória, em que era garoto.
O barulho das vassouras espantando as folhas amareladas para longe e a algazarra inconfundível das andorinhas.
O ruído de algum rádio sintonizado nos jornais da manhã que contam tudo que aconteceu enquanto se dormia e tudo que vai acontecer no resto do dia.
Mas ela acorda cedo mesmo, para ouvir o barulho das fechaduras, as portas se abrindo e a rua novamente ficando animada. Crianças sentadas nas calçadas, mães a dar " banho de sol" nos seus bebês, e maridos saindo para mais uma jornada.
Cores, sabores e formas, agora se misturam e começa mais um dia normal... Ela com seu cabelo emaranhado e pijama de desenho animado, finalmente levanta.
Parece que a rua lhe confessa que já é hora de também fazer parte desse cenário...

Cristina Lira