sábado, 22 de janeiro de 2011

Nas mãos as linhas da vida, no coração as boas ações...



Num determinado dia ele resolveu sair bem cedo, tudo estava calmo, uma linda manhã. As folhas ainda exibiam o orvalho, e os pássaros cantavam como se fosse a primeira vez que fizessem esse ato. Tudo isso o encantava.
Quando subia numa pequena rocha para admirar mais de perto um beija flor, foi alvo de uma flechada nas costas o que o fez perder o equilíbrio e cair, batendo a cabeça contra a rocha, causando-lhe assim mais um ferimento.
Um senhor, que andava como quem fosse parar e de rosto marcado pelas linhas da vida, ao vê-lo, parou e tratou de oferecer cuidados. E enquanto o jovem estava desacordado, o senhor removeu a flecha e tratou o ferimento com ervas do seu conhecimento. Não se sabe como, mas além de tudo isso, deixou o jovem na porta de sua casa, e tanto o ferimento das costas quanto o da cabeça já não sangravam mais.
Quando acordou, o jovem estava completamente desorientado, não pelo fato de terem lhe ferido, mas de como o tinham curado. Incansavelmente contou esta história na esperança de que alguém, ao ouvi-la, pudesse pelo menos lhe indicar  quem conhecesse bem ervas, assim haveria uma pista....mas os dias se passaram e nada.
Um  idoso leiteiro  todas as manhas lhe fornecia o melhor de todos os leites da região. E numa manha, espantado pela demora do leiteiro chegar, já que este era de uma pontualidade invejável, o jovem foi até seu rancho. Sendo informado que o tal senhor se encontrava doente em seu leito, ao visita-lo, sentou-se ao lado de sua cama.
Ao vê-lo, o leiteiro enfermo disse:
_ vejo que estás bem meu jovem, fico feliz...A gente  sempre procura  o porque dos problemas e dificilmente arranjamos um solução para esses danados, não é mesmo?
As flechas podem vir de muitos lados, mas não importa, tem sempre uma armadura nova pra gente. No tempo da seca as vacas dão menos leite, mas na primeira chuvarada elas se animam, e num é que elas de imediato já aumentam a quantidade...
O jovem sorriu, o senhor leiteiro estava doente, mas não parava de falar, e se perdia nas historias...o que acabava sendo engraçado. Ao lado da cama, em um cantinho no chão, pode observar uma vasilha com algumas ervas dentro.
Mais que depressa e sem dizer nada, só ouvindo, o jovem começou a cuidar do idoso, do leiteiro, e quem sabe, das mãos que lhe ofertara cura...
Não importam os problemas, nossas dores ou enfermidades. O que interessa é que cedo ou mais tarde tudo passa, e de certo, há sempre uma solução para tudo, ainda que no momento possamos duvidar. E tudo acontece e vem da forma que menos imaginamos e de onde menos esperamos, e de mãos que pouco conhecemos...

Cristina lira