quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

...e eles nem são tão graves...



Vamos analisar se os nossos problemas são realmente tão grandes assim, a ponto de nos estressarmos, nos deixar de caras feias e até depressivos.
Ponto 1 - O problema é maior que a fome que sentem as crianças que padecem todos os dias por não terem o que comer? Maior que a fome das pessoas de pele queimada pelo sol nas tentativas, as vezes sem sucesso, de encontrar comida ( em estado já de putrefação) no lixo, para enganar o vazio do estômago?
Ponto 2 - É maior que o problema daqueles que descobriram um câncer em estágio terminal?
Ponto 3 - Maior que o pranto incontido de alguém que perdeu seus familiares, as pessoas que mais amava, em um trágico acidente?
Ponto 4 - Maior que a situação onde muitos e muitos irmãos, em todo mundo, não mais poderão ver um sol nascer, por acabarem de morrer?
Vamos pensar um pouco...
Nossos problemas são tão grandes assim?
Imaginemos o problema de uma criança que vê toda sua família ser assassinada? E ela milagrosamente escapa, embora cheia de marcas na alma. Ou um idoso, que nos últimos dias de sua vida, ao invés de descansar tranquilamente e cercado por amor, receber agressões daqueles que ele mais cuidou...
Será que nossos "amiguinhos" são enormes mesmo, a ponto de tomar nosso ar, nos fazendo sonhar e dedicar um dia inteiro de pensamentos escravistas?
Ah! Sabedoria! É o que precisamos para entender que os problemas não existem para serem admirados ou cultuados como se fossem deuses. Na verdade, nossa concentração deve se voltar para armar uma estratégia que nos indique que atitudes tomar para soluciona-los.
Problemas, sinais de que estamos vivos para agir. Quem não se dá ao luxo de ter problemas, é porque jaz abaixo na terra e não acima dela.
Lute, sacuda o mundo, torne-se detetive e resolva seu problema...enxugue as lágrimas, pois chorar não resolve nada, só te acrescenta marcas de expressões para a velhice, além daquelas que aparecem naturalmente...
Levante-se e lute, com toda força que tens,e lembre-se de guardar munição energética para os outros problemas que ainda surgirão ao longo da vida, é inevitável...
São os obstáculos que nos concedem pontos de experiencia, logo, viver torna-se um desafio, um longo filme de aventura, onde, somos o roteirista, e o final feliz depende de nossas ações, o nosso equilibrio....
Uma coisa é certa, todos temos nossos problemas e sabemos o quanto eles nos pesam, embora que quando comparamos com os dos outros eles pareçam pequenos, mas para nós que o sentimos são monstros feios e grandes.

É respeitável os problemas de cada um!
É inadimissivel os comportamentos comodistas daqueles que se afogam aos pouquinhos sem ao menos liberar o espirito de luta e coragem que carrega consigo.

Por Cristina Lira