segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Amor da cor de canela





Apressou-se para recolher o que restara daquele parto indesejável, desprezível e arruinador (palavras que repetia em sua mente). Pegou o corpo forte, que insistia em viver, pele morena. Um lindo menino cor de canela, mãos fechadas, como quem guarda algo em segredo. Fitou-o por alguns instantes, e como quem joga fora um antigo objeto, movido pela duvida de guardar mais um pouco ou desfazer-se logo, decidiu e fez, o que há muito já havia planejado para esse momento. Envolveu-o em tecidos velhos, surrados, e o deixou ali...  A mercê da própria sorte. Saiu sem olhar pra trás, apenas saiu. Algumas vezes o caminho a frente pode ficar longo demais, quando se olha pra trás. E se foi, e sumiu junto ao crepúsculo que sumia. E o lindo menino cor de canela, quietinho, quentinho, mantendo-se sabe –se como, resistindo sabe-se lá, as adversidades do ambiente. Há alguns metros alguém de andar cambaleante, pulsante de dor, cabelos longos e negros, olhos lagrimejantes, alagados de dor. Sem esperanças, e já nem esperava. Andava como se carregasse toneladas de concreto nas costas, mãos vez ou outra na face para afastar as lágrimas que a impediam de enxergar o caminho.  Repetia para si mesma o quanto era sozinha, miserável, indigna...e que jamais sentiria felicidade, pois esta jamais a conheceria. E assim caminhou, até que o sofrimento a fez desfalecer, e por fim caiu em terra. E a noite seguiu, madrugada mais fria do ano. E antes mesmo de o sol erguer-se, tornou a abrir os olhos, dessa vez não com olhar de dor, ou frustração...mas de desespero misturada a espanto, e uma serie de perguntas caindo-lhe sobre a cabeça como se fosse uma enxurrada. Viu que bem junto a seu corpo, estava de forma aconchegada um corpinho cor de canela, tão a vontade, como se o tivessem posto ali para uma fotografia memorável. E o tocou na face, e este quase que inconscientemente, desenhou um sorriso. Sorriso de olhos fechados, mas com os olhos do coração abertos. A única atitude que teve foi, pegar aquela pessoinha tão pequena e envolve-la, protegendo-o assim do frio daquela manha. E se questionou: “Eu te aqueci durante a noite, ou você me aqueceu e me salvou?” E naquela manha ela apenas segurou aquela criança, a quem pós o nome de Daniel. E recordou de sua infância em orfanatos, e no quanto teria sido feliz se alguém a tivesse a abraçado e falado de amor. E abraçou aquele menino mais forte ainda, à medida que o chamava de “meu filho”.

Ninguém precisa de uma razão pra viver, mais pode dá razões pra vida acontecer. E sem se questionar tanto... apenas viver, e viver e viver...


Cristina Lira



21 comentários:

  1. Não sei o que escrever...!!!
    Emocionei-me, uma lágrima teimou em cair e finalmente um sorriso!!
    Parabéns amiga, neste momento só consigo dizer parabéns!
    Um beijo grande

    ResponderExcluir
  2. Que lindoooooooooooo Cris, aii emocionante

    Lindo e maravilhoso texto.

    meu carinho, e ótima semana.
    beijos no seu coração

    ResponderExcluir
  3. lindo demais...
    e nos mostra que muitas vezes, pessoas que vivem ao nosso redor tem uma história dessas pra contar..

    bjs.Sol

    ResponderExcluir
  4. Me encanta como escribes , imprimes mucha plasticidad a tus relatos.Utilizas muy bien los adjetivos.Rodeas todas tus palabras de un halo especial.Saludos poéticos.

    ResponderExcluir
  5. Cris! O que posso dizer desta mensagem? Que você é especial, é bonita, é sensível e emociona. Muito comovente e lindo. Beijão!!!

    ResponderExcluir
  6. Arrepiei, Cristina!

    Um encontro de almas, de tristezas e uma promessa de amor e alegria.

    Lindo, parabéns!

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. Oi Cris!!!!
    Desculpe, mas comecei a ler o texto e não consegui ir até o final!!!!
    Saudadessssssss...
    Acabei de postar a primeira parte do meu novo Conto: Haziel, passa lá pra conferir e me diz o que achou!

    Também tem selinho pra vc lá!
    Beijinhossssssssssss, bye
    Anita do diarios-do-anjo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Cristina,

    De verdade? Chorei com teu texto, sou daquelas mães que ama ser mãe, que sofre com o sofrimento de crianças.
    Lindo teu texto, me tocou.

    Beijo meu

    ResponderExcluir
  9. Que texto lindo, Cristina. E forte, muito forte!!!

    Adorei seu cantinho!!!

    Beijão!!

    ResponderExcluir
  10. Deus, acho que vc me pegou meio sensivel agora, até chorei. Que coisa linda esse texto!
    Meus mais sinceros parabens! Espero que apareçam outros como esse! Lindo!

    ResponderExcluir
  11. Boa noite, Cristina. O milagre do amor faz muitas coisas, e quando vemos estamos envoltos por ele, conforme você disse, sem muitos questionamentos.
    Vejo que o que aconteceu foi uma salvação dupla que muito me emocionou. Ela fez a melhor escolha, e ambos não ficarão desamparados, pois foram protegidos por Deus, pelo dom da vida, que muitos rejeitam por motivos mil, quando alguém somente quer ser amado e protegido.Isso é uma realidade, que poderia ter um final feliz assim, e não o que vemos diariamente.
    Quem não pode ou não quer, entregue para a doação, sei que aqui não foi o caso, apenas levanto essa questão, se me permite, pois assim, a alma pura terá uma vida decente e de amor, e que Deus tenha misericórdia das mães que deixam os seus filhos no frio, no lixo, enfim.Que a misericórdia de Deus alcance a todos nós!
    Desculpe se por acaso você achar que eu passei do contexto, mas para mim está inserido divinamente.É em si, uma reflexão.
    Um beijo, e fique na paz!

    ResponderExcluir
  12. Patricia amiga, concorco plenamente...esse mesmo o contexto.
    E tbm gostaria muito, que mães, ao inves de abandonarem em um lugar qualquer, dessem para a adoção. seria menos triste, e a criança teria uma chance de ser feliz. Na verdade bom seria que eleas proprias amassem suas crianças..mas.....
    Amei o comentário de todosssss....
    Bjossss

    ResponderExcluir
  13. Oi menina Cris...
    Saudades ! Demais da conta...
    Aos poucos vou retornando, me resignando, me acalmando...
    Mas aí vem você, com esse texto, e abriu a torneirinha aqui....hehehehe ! Que coisa...
    Profundo demais...nos leva a várias reflexões...e faço das palavras de Patricia (acima), as minhas...nada mais...

    Um beijo....muitos xerossssssssss para ti e Bete...Deus as abençoe...

    ResponderExcluir
  14. Obrigado por visitar meu blog!
    Vim retribuir a visita, agradecer e conhecer seu espaço.

    ResponderExcluir
  15. °º♪♫
    °º✿♪♫
    º° ✿♫ ♪♫°
    Olá, amiga!
    Sempre sensível...
    Bom fim de semana!
    Beijinhos.
    Minas°º♪♫
    °º✿♪♫
    º° ✿♫ ♪♫°

    ResponderExcluir
  16. Lindo texto.
    De uma sensibilidade impar.
    Adorei e me emocionei!

    Beijoss

    ResponderExcluir
  17. Poxa chorei...
    Tem muito a ver com minha historia. Lindo demais. Vou com lagrimas nos olhos.
    Bjos achocolatados

    ResponderExcluir
  18. Minha querida

    O que dizer deste texto profundo e sensível, apenas que adorei e deixo um beijinho com carinho.

    Sonhadora

    ResponderExcluir