terça-feira, 30 de novembro de 2010

Espio além das curvas da estrada da  vida esperando, talvez, que se revelem as surpresas do caminho...

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

No ritmo...



Me dê a mão venha dançar
não...não tenha medo.
Deixe-se levar pelo ritmo dessa melodia,
apenas movimente seu corpo,
não...não tenha medo.
Siga o passo perigoso dessa dança.
Siga o passo misterioso desse movimento
fique de joelhos e suba bem devagar
pegue o ritmo
acompanhe o movimento
você é muito bom nisso
só não tenha medo de dançar.
Liberte essa criatura que pede alforra
todos os dias dentro do teu ser
Me dê sua mão
posso te ensinar uns passos
só não tenha medo de dançar
deixe-se levar por esse ritmo eloquente,
venha comigo, esse ritmo é contagiante
e você é muito bom nisso!
(C.Lira)

Trechinhos da Clarice Lispector


Sonhe com aquilo que você quiser. Seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só se tem uma chance de fazer aquilo que se quer. Tenha felicidade bastante para fazê-la doce. Dificuldades para fazê-la forte. Tristeza para fazê-la humana. E esperança suficiente para fazê-la feliz. As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas. Elas sabem fazer o melhor das oportunidades que aparecem em seus caminhos. A felicidade aparece para aqueles que choram. Para aqueles que se machucam. Para aqueles que buscam e tentam sempre. E para aqueles que reconhecem a importância das pessoas que passam por suas vidas. O futuro mais brilhante baseado num passado intensamente vivido. Você só terá sucesso na vida quando perdoar os erros e as decepções do passado. A vida é curta, mas as emoções que podemos deixar duram uma eternidade. A vida não é de se brincar porque um belo dia se morre. (Clarice Lispector)

****************************************************************

Saudade é um pouco como fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida. (Clarice Lispector)  [Image] Por outro lado, estou hoje um pouco cansada e é sobre o prazer do cansaço dolorido que vou falar. Todo prazer intenso toca no limiar da dor. Isso é bom. O sono, quando vem, é como um leve desmaio, um desmaio de amor.  Morrer deve ser assim: por algum motivo estar-se tão cansado que só o sono da morte compensa. Morrer às vezes parece um egoísmo. Mas quem morre às vezes precisa muito. Será que morrer é o último prazer terreno? (Clarice Lispector)
***********************************************************

Havia a levíssima embriaguez de andarem juntos, a alegria como quando se sente a garganta um pouco seca e se vê que, por admiração, se estava de boca entreaberta: eles respiravam de antemão o ar que estava à frente, e ter esta sede era a própria água deles.Andavam por ruas e ruas falando e rindo, falavam e riam para dar matéria peso à levíssima embriaguez que era a alegria da sede deles. Por causa de carros e pessoas, às vezes eles se tocavam, e ao toque - a sede é a graça, mas as águas são uma beleza de escuras - e ao toque brilhava o brilho da água deles, a boca ficando um pouco mais seca de admiração.Como eles admiravam estarem juntos! Até que tudo se transformou em não. Tudo se transformou em não quando eles quiseram essa mesma alegria deles. Então a grande dança dos erros. O cerimonial das palavras desacertadas. Ele procurava e não via, ela não via que ele não vira, ela que, estava ali, no entanto. No entanto ele que estava ali. Tudo errou, e havia a grande poeira das ruas, e quanto mais erravam, mais com aspereza queriam, sem um sorriso. Tudo só porque tinham prestado atenção, só porque não estavam bastante distraídos. Só porque, de súbito exigentes e duros, quiseram ter o que já tinham. Tudo porque quiseram dar um nome; porque quiseram ser, eles que eram. Foram então aprender que, não se estando distraído, o telefone não toca, e é preciso sair de casa para que a carta chegue, e quando o telefone finalmente toca, o deserto da espera já cortou os fios. Tudo, tudo por não estarem mais distraídos. (Clarice Lispector)
*************************************************************************
“Não é à toa que entendo os que buscam caminho. Como busquei arduamente o meu! E como hoje busco com sofreguidão e aspereza o meu melhor modo de ser, o meu atalho, já que não ouso mais falar em caminho. Eu que tinha querido O Caminho, com letras maiúsculas, hoje me agarro ferozmente à procura de um modo de andar, de um passo certo. Mas o atalho com sombras refrescantes e reflexo de luz entre as árvores, o atalho onde eu seja finalmente, eu, isso não encontrei. Mas sei de uma coisa: meu caminho não sou eu, é outro, é os outros. Quando eu puder sentir plenamente o outro estarei salva e pensarei: eis o meu porto de chegada.” (Clarice Lispector)

Primavera


Cecília Meireles

A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.

Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.

Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.

Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.

Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.

Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.

Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.

Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.

Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.


 ", Editora Nova Fronteira - Rio de Janeiro, 1998, pág. 366.

Texto extraído do livro "Cecília Meireles - Obra em Prosa - Volume 1

Eu te vi, tu me vistes...e nós não nos vimos


E você finge que não me vê. É, eu estava lá, e te vi tentando não me ver.
Vi seus olhos disfarçando que não via os meus, e vi também quando reparastes meu nome lá, naquela lista, a tua lista.
Eu estive lá, e sua indecisão em me ver só revelou que nem todos os dias são iguais.
E que ironia do destino, hoje eu te vi, mas passei por cima do teu nome diante dos outros nomes da minha lista.
E agora é assim: você me vê e eu te vejo e fingimos que não nos vemos e apenas pulamos nossos nomes em nossas listas. E somos tão cúmplices de nós mesmos, e em arte de disfarce somos um desastre, e o mais interessante é que somos apenas estranhos...

c.lira

As horas



Sento-me sempre ao lado do relógio, para provocar as horas com a minha mas sutil indiferença e debochar do modo como controla o tempo...enquanto saboreio meu café desfragmento os segundos já tão pequenos.
Pouco me importa o que quer revelar o relógio, me interesso pelas confissões do céu quando olho pela janela e brinco de prevê o futuro.
(c.lira)

MEU SERTÃO QUERIDO

Paisagens da minha casa








domingo, 28 de novembro de 2010

Veneno ardente



Levanto-me devagar para não te acordar, degusto o veneno que me alucina todos os dias e me trás uma sensação prazerosa de morte no fim do dia. Esse veneno ardente, que não se encontra a venda, vem junto deste corpo quente que agora vejo ao lado do meu. Se me ergo silenciosa é para não parecer pretenciosa, e se faltar esse veneno ardente, por certo, me devastará o seu efeito, pois este, ao meu lado, transforrma-se em antídoto e a sua falta me levará a ausência dos sentidos.

Saboreio esses momentos
como quem delicia sorridente uma taça de veneno
tendo o antídoto 
escondido em uma das mãos...(C.Lira)

sábado, 27 de novembro de 2010

Quanta violência

 Já tentei encontrar a resposta de todo jeito, pesquisei, analisei, criei justificativas, e nada...
Não há teoria que consiga explicar ou justifique o porque de tanta violência. O que acontece com as pessoas?
Não me diga que a violência é por falta de dinheiro,
de comida,
de roupas,
de casas,
de terras,
de...e de...e...
NADA justifica um comportamento violento, uma ação, uma atitude insana.
Não é justificável
abusos sexuais, principalmente quando as crianças são as vítimas,
assassinatos de pessoas inocentes que só estavam indo para o trabalho ou chegando dele e recebeu uma ressalva de balas.
O que falta?
Amor?
Paz?
HUMANIDADE?
Me pergunto, porque tanta violência, tanta displicência, imprudência...e ABORTOS (insana...insana violência!)
Contemplo o céu e me pergunto, quem terá respostas para justificar a ação desses tais "HUMANOS" que matam Humanos?
c.lira


Saudade, do que mesmo?

 Será que se pode sentir saudade do nada? Quer dizer, não exatamente do nada, mas de momentos que nunca existiram? Estava á toa e fiquei a pensar... existem momentos que nunca aconteceram mas que deixam no interior das pessoas uma saudade igual aos momentos vividos, ou até mais...
É saudade dos caminhos que não foram percorridos por medo do que iria encontrar adiante.
Das palavras que deveriam ser ditas e foram guardadas.
Do beijo não dado e daquele que deveria ter sido roubado.
Da gargalhada abafada pelas mãos.
Da festa que não se foi, e depois bateu vontade de ir, mas permaneceu sem ir.
Saudade do amor que nem chegou a saber que era amado.
De naquele momento ter segurado aquelas mãos e olhado fixamente e ter dito: será que não percebes que gosto de ti?
De ter comprado aquela roupa! Teria ficado perfeito.
Poderia ter demorado um pouco mais... só mais uns minutos pra ver o que acontecia...
Saudade de momentos que nunca aconteceram...
Somos mesmo estranhos. Mas isso é realidade, tem muita gente suspirando de saudade de fases que não viveu e se perguntando o que teria acontecido se tivesse feito isso, ou aquilo...
Saudade do que não se viveu? Até eu tenho!

                                                                                                                                 c.lira


Venha comigo


Venha comigo, não tenha medo.
Segure minha mão, eu já conheço este caminho.
E até sei a saída, o que você vive agora não é diferente do que vivi.
Deixe-me te guiar, verás que teus passos não serão em vão.
Posso mostrar todos os caminhos possíveis,
mas me reservo a não querer percorrer todos eles.
Permita-se vir comigo, ao menos uma vez,
nem que seja em uma única estrada.
Acredite, ao segurar minha mão andarás de olhos fechados.
Não resista tanto, apenas venha comigo.
(C.Lira)

A espera de que algo aconteça


Estou a espera de que algo de novo aconteça e rompa essa rotina, que desarrume esses dias tão certinhos e de horas programadas. A espera de uma aventura, algo novo pra fazer, que não seja ver filmes dessa categoria na tv. Quero um dia que nã seja planejado, sem horários marcados, quero apenas me divertir. O direito de ficar na minha sem ter nada pra fazer. Ou quem sabe colocar uma mochila nas costas e sair por ai, sem saber o destino, caminhando apenas...até chegar num lugar que me agrade. Estou a espera de que algo novo aconteça, e sendo ousada também, fazendo algo novo acontecer...
C.Lira

Minhas imperfeições

Não...não quero essa perfeição imposta.
Sou tão naturalmente imperfeita!
E essas imperfeições me sustentam,
só está preparado para me conhecer,
quem primeiro nota-las,
e ainda assim me aturar por perto.
Depois de expostas todas as minhas imperfeições
fica visivel o que me faz humana.
Também tenho, assim como muitos, um montante de
coisas boas que formam minha base,
mas adoro ser imperfeita,
 e por vezes faço isso de propósito
para notar a cara de reprovação dos "perfeitinhos".
Amo minhas imperfeições, pois estas
também são parte de mim, do meu lado humano de ser.
C.Lira

A você que amo



A você que sempre está do meu lado e me escuta falar dos maus e bons momentos
A você que hoje seca minhas lágrimas e me acalenta com beijos
A você que chegou e se instalou no meu coração sem permissão
A você que amo...meus agradecimentos por estar agora em meus momentos.

Vamos brincar de amor



Vamos fazer de conta que marcamos um encontro
e vamos a esse encontro como se estivessemos fazendo de conta que não fomos...
Vamos fazer de conta que queremos nos beijar
e troquemos horas e horas de beijos como se estivessemos fazendo de conta que não nos beijamos
Vamos fazer de conta que estamos apaixonados e curtir um monte de programas legais
e nessa realidade em que brincamos de faz de conta que o amor se torne real.


C.lira



A alegria é um encontro entre o que sentimentos e o mundo fora de nós.
A tristeza, ah, é um encontro dos acontecimentos externos com o luto interno do nosso ser.
Tristeza é um calar forçado, um isolamento depressivo, e um sentir que foi imposto,
pois ninguém se entristece do nada, mais muitas coisas que nos sucedem nos fazem sentir um "nada".

c.lira

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Nostalgia


Amanhã será um novo dia. E essa nostalgia vai sumir, pois sinto que é momentânea. E toda essa imprudente dor ainda hoje será sepultada, pois não permitirei que no dia de amanhã, uma nova chance que nasce pra mim, seja raptado e devorado por esses fantasmas que teimam em me explorar. Já me afoguei demais nesse rio que arrebenta as barragens da minha face. As cruzes que estou carregando agora já estão perdendo as forças, as palavras que ouvi mais pareciam barulho de armas de guerra, e o silêncio por vezes rompido por uma cavalaria. Que importa? Tudo está passando, amanhã será um novo dia, e poderei, embora as cicatrizes sarando, sorrir do dia que se debulha a minha frente e me faz cortesia. A dor? Que me importa! Amanhã não serei tua serva!
c.lira

Leaves of Grass (Folhas de relva)

Este é o meu livro de cabeceira - Leaves of Grass- escrito por Walt Whitman...
Na página 71 tem um trecho que não me canso de ler, resolvi postá-lo aqui. Desde já deixo minha recomendação de leitura. É um excelente livro.
Eis o trecho

"...E sei que sou imortal,
sei que minha órbita não pode ser medida pelo compasso do carpinteiro,
Sei que não apagarei como espirais de luz que crianças fazem à noite com graveto aceso.

Sei que sou sublime,
Não torturo meu espírito para que se justifique ou seja compreendido,
Vejo que as leis elementares nunca se desculpam,
Percebo que não ajo com orgulho mas elevado que o nível onde planto minha casa, afinal.

Existo como sou, isso me basta,
se ninguém mais no mundo está ciente, fico contente,
e se cada um e todos estão cientes, fico contente.

Meu pedestal é encaixado e entalhado em granito.
Dou risada do que você chama de decomposição,
sei da amplidão do tempo.

Sou poeta do corpo,
e sou o poeta da alma..."

"Mas tenho medo do que é novo

e tenho medo de viver

o que não entendo.
Quero sempre ter a garantia

de pelo menos estar pensando

que entendo,

não sei me entregar à desorientação."

~ Clarice Lispector ~





"Não voltaria no tempo para consertar meus erros,

não voltaria para a inocência que eu tinha - e tenho ainda.

Terei saudades da ingenuidade que nunca perdi?
Não tenho saudades nem de um minuto atrás.
Tudo o que eu fui prossegue em mim."

(Martha Medeiros)
Tudo que quero é um cantinho pra ficar a sós comigo e me fazer um pouco de companhia.
As vezes preciso tanto de mim...

c.lira

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Você está pensando em desistir?
Ele não!

Persista, não desanime...

c.lira




Quando digo "OI" na verdade estou tentando dizer EU TE AMO!
C.Lira




Te amo discretamente como quem esconde um grande segredo.
C. Lira

Águas que me fizeram pensar



Um dia parei para observar as águas de um rio. Elas estavam seguindo a direção do vento, ou seguiam seu curso, o planejado para o dia?
Tanto faz, e porque não as duas coisas?
E relacionei o curso das águas com a vida, que segue seu ritmo.
Tem um inicio, um meio e um fim.
E me deparei com o seguinte:
E se essas forem minhas ultimas horas?
Tudo bem, eu sei, parece loucura!
Tá! Mas e se fosse?
Sabe, quando nos deparamos com perguntas como essas, o que sentimos é uma vontade gigantesca de correr e realizar o máximo de desejos que temos, ser melhores e humildes.
Reconhecer perante os outros nossas falhas e limitações
nossas raivas e nossos amores.
Uma coisa é certa. Ninguém vive seus dias pensando no fim próprio.
A questão é tornar cada dia único, não como se fosse o último, mas como se fosse o primeiro e trouxesse novas oportunidades.
É quase a busca pela perfeição. Sei..sei...ninguém é perfeito!
Mas custa tentar?
Hoje
ame mais,
dedique-se mais,
escute mais,
cale-se mais,
pense em você.
Não adianta nada tentar salvar o mundo se não conseguimos nos salvar de nós mesmos, das nossas tristezas, das nossas prisões.
A regra de ouro é:
* Conhece-te primeiro para poderes conhecer teu próximo;
* Queira bem a você, ame-se. Este é o principio de tudo, pois aprendemos que o que me faz sorrir pode fazer outros rirem também, e o que me entristece pode entristecer outros também.
Faça aos outros o que você quer que façam a você!
A natureza pode nos fazer refletir sobre a vida, e muito! Não sei se diante do rio pensei e refleti mesmo sobre tudo isso, ou se o próprio rio foi quem me contou. O certo é que fiquei estática por um bom tempo...
C.Lira


Loucuras de artista



Quem me dera ser artista
pra fazer uma escultura
do homem que me acorda
Quem me dera ser artista
para pintar seus detalhes
e deixar o quadro a amostra.
Quem me dera ser artista
para viver fazendo arte
daquele por quem em ais
meu louco coração se debate.
Ah! Quem me dera ser artista
das piores seria a melhor
te pintaria por inteiro
espalharia as cópias por toda parte.

c.lira

Frio...




Tuas palavras frias
se encontram com meu coração
que por ti morre de amores.
Esse seu jeito de falar tão incompativel com esse sentimento
faz brotar dentro de mim um tremendo silêncio
como em um dia de tempestade
em que o céu se veste de negro.
c.lira
Aproveite todos os dias para viver o mais intensamente que você conseguir, faça de conta que estás numa grande viajem de trem, portanto, ande em todos os vagões e curta a paisagem, pois não sabes onde estes trilhos terminam...
c.lira

O desafio dos sete

A amiga Renata do Blog Memórias Reveladas (http://renatadiniz.blogspot.com/) me propôs o seguinte desafio dos sete que repasso aqui. Fiquem a vontade para responderem, e é uma forma de nos conhecermos mais um pouquinho. Bjos no coração e obg pela visita!


Sete coisas que pretendo fazer antes de morrer:

* aprender a nadar;
* conhecer pontos turisticos de todos os Estados brasileiros;
* Cursar medicina e exerce-la.
* Publicar um livro de auto-ajuda;
* Dar uma festa e convidar todos os ex-colegas de epoca de escola;
* praticar um esporte radical e tecnicas de Karatê;
* Fazer uma grande descoberta que traga beneficios para o mundo.

7 coisas que mais digo:
1. Ai! Caramba!
2.Psiu...silêncio.
3.Meeelll ( minha coelha)
4.Niloooo( meu cachorro)
5.Êita!
6.Nossa!
7.Sério!

7 coisas que faço bem
1. Escrever
2. fazer silêncio e escutar as outras pessoas;
3. desenhar
4. cuidar da casa
5. estudar
6. cozinhar (quando bate a inspiração de ir a cozinha e fazer um prato diferente, kkkk)
7. Observar ( de tudo)

7 defeitos meus
1.me apegar facilmente as pessoas
2.detalhista
3 sentimental
4.pontualidade excessiva ( tipo, sempre chego meia hora antes da hora marcada,rs)
5.Por vezes radical, não costumando dar uma segunda chance para quem me magoa (por vezes, e depende do caso!)
6.Imagino que a vida pode ser um conto de fadas.
7.Não sei me defender quando me ferem sentimentalmente, fico na minha, pois tenho medo de ferir e em consequencia acabo guardando um monte de coisas que eu deveria ter dito...

7 qualidades minhas
1.fiel ao extremo
2.amiga
3.amorosa
4.carinhosa
5.humilde
6.atenciosa
7.sempre pronta para ajudar mesmo que requeira meu proprio sacrificio.

7 coisas que amo
1.meus pais
2 irmãs
3 amigos
4 animais de estimação
5 assistir mr.Bean
6 Estudar os mais diversos assuntos, enfim, tudo que me chame atenção.
7 Eu...

7 pessoas para fazerem o desafio

Marilia
Luciene
Carmem
Isac
Sandra
Fulvio
Wl

Estou feliz e, ponto.
Não há um motivo, nem muito menos um "porque".
A felicidade é simples ao acontecer...
E essa felicidade sem motivos é a melhor de se sentir por ser contagiosamente verdadeira.

c.lira

C. Lispector
Clarice Lispector

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Senhor


Senhor ensina-nos a orar, sem esquecer o trabalho. A dar, sem olhar a quem. A servir, sem perguntar até quando… A sofrer, sem magoar, seja quem for. A progredir, sem perder a simplicidade. A semear o bem, sem pensar nos resultados… A desculpar, sem condições. A marchar para frente, sem contar os obstáculos. A ver sem malícia… A escutar, sem corromper os assuntos. A falar, sem ferir. A compreender o próximo, sem exigir entendimento… A respeitar os semelhantes, sem reclamar consideração. A dar o melhor de nós, além da execução do próprio dever, sem cobrar taxas de reconhecimento… Senhor, fortalece em nós, a paciência para com as dificuldades dos outros, assim como precisamos da paciência dos outros, para com as nossas próprias dificuldades… Ajuda-nos para que a ninguém façamos aquilo que não desejamos para nós… Auxilia-nos, sobretudo, a reconhecer que a nossa felicidade mais alta será, invariavelmente, aquela de cumprir seus desígnios onde e como queiras, hoje, agora e sempre.

~ Chico Xavier ~
"Se você sente algo, diga… É difícil se abrir? Mas quem disse que é fácil encontrar alguém que queira escutar? Se alguém te ama, ame-o… É difícil entregar-se? Mas quem disse que é fácil ser feliz? Nem tudo é fácil na vida…Mas, com certeza, nada é impossível…”

~ Cecília Meireles ~

Coisas que eu sei - música Dani Carlos




Eu quero ficar perto
De tudo que acho certo
Até o dia em que eu
Mudar de opinião
A minha experiência
Meu pacto com a ciência
Meu conhecimento
É minha distração...


Coisas que eu sei
Eu adivinho
Sem ninguém ter me contado
Coisas que eu sei
O meu rádio relógio
Mostra o tempo errado
Aperte o Play...


Eu gosto do meu quarto
Do meu desarrumado
Ninguém sabe mexer
Na minha confusão
É o meu ponto de vista
Não aceito turistas
Meu mundo tá fechado
Pra visitação...


Coisas que eu sei
O medo mora perto
Das idéias loucas
Coisas que eu sei
Se eu for eu vou assim
Não vou trocar de roupa
É minha lei...


Eu corto os meus dobrados
Acerto os meus pecados
Ninguém pergunta mais
Depois que eu já paguei
Eu vejo o filme em pausas
Eu imagino casas
Depois eu já nem lembro
Do que eu desenhei...


Coisas que eu sei
Não guardo mais agendas
No meu celular
Coisas que eu sei
Eu compro aparelhos
Que eu não sei usar
Eu já comprei...


As vezes dá preguiça
Na areia movediça
Quanto mais eu mexo
Mais afundo em mim
Eu moro num cenário
Do lado imaginário
Eu entro e saio sempre
Quando tô a fim...


Coisas que eu sei
As noites ficam claras
No raiar do dia
Coisas que eu sei
São coisas que antes
Eu somente não sabia...
Coisas que eu sei
As noites ficam claras
No raiar do dia
Coisas que eu sei
São coisas que antes
Eu somente não sabia...
Agora eu sei...

Reconheço que

Reconheço que dedico horas do meu dia pensando em você...


Reconheço que ao deitar você é o meu último pensamento, ao sonhar o único personagem da minha surrealidade, e ao acordar o primeiro e inquietante pensar.
Que os meus passos encontram os teus por acaso
e as vezes propositalmente.
Reconheço que te escondo todo esse sentimento
Reconheço que te amo, como também que não declamo.
Reconheço o medo e a instabilidadade de tudo isso...
Reconheço nos meus lábios o sorriso ao falar de ti
e a angústia que apressa meu coração
diante da inevitável ausência que se aproxima.

Reconheço que te amo
como também a impossibilidade de estarmos juntos
e mesmo assim, sigo com esse sentimento.
E se as vezes pareço distante é para disfarçar tudo que sinto.
Reconheço que não posso invadir sua vida nem bagunçar seus dias, e permaneço em silêncio com este amar sem complemento.
Está dificil acreditar mas reconheço que TE AMO.... 

C.Lira