segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Não sei os passos desta dança, mas permaneço dançando até que a música pare de tocar... ( Cristina Lira)

Sou assim

Não sei falar palavras bonitas, e as vezes que quero dizer algo é como se nem falar eu soubesse.
Tenho tantos defeitos, parece que carrego toda carga genética defeituosa dos meus queridos antepassados.
As vezes sou calma como a garoa fina que cai as cinco da tarde, as vezes incontrolável como uma tempestade a meia noite. Sou assim nesse vazio cheio de mim.
Digo o quero dizer, digo tudo que me enche por dentro e pede pra sair, mas por vezes tranco as palavras amargas em meu ser, para que não cause dor a ninguém, e com isso causo pequenos incêndios em mim.
Sou assim. Me apego fácil as pessoas como um cãozinho abandonado se apega aquele que o resgata.
Choro ao assistir um filme romântico. Mas os que mais curto são comédias.
Leio histórias e tento torna-las reais.
Esforço o melhor sorriso quando por dentro me acabo de chorar.
Dou gargalhadas de tudo, até da mais bruta seriedade.
Tenho algumas qualidades, mas admiro meus defeitos, pois eles me garantem a segurança de que minhas habilidades também são notadas.
O que importa é que sou assim...feliz!
As vezes cinzas, outras fogueira.
As vezes brisa, outras tornado.
As vezes rio, outras oceano.
As vezes raiva, mas sempre amor.

Cristina Lira





O que você tem a dizer?


Olhe bem pra mim, me vês?

Estou caminhando em direção a saída, te dou uma ultima chance,

você teria coragem o suficiente para fechar a porta?

Não adianta fazer cena,

depois que meu ultimo passo sair deste espaço serei apenas uma sombra para este lugar,

e uma nova vida para o mundo lá fora.

Olhe bem pra mim, estou caminhando em direção a saida para não mais voltar.

E o que você tem a dizer?

 Cristina Lira

Estações

Tem época em que a gente pensa um monte de bobagens

como se nossa razão não funcionasse direito,

e ficamos sujeitos a um turbilhão de erros,

que nos fazem chorar de tanto rir

pela ingênuidade do nosso comportamento

que por vezes se expressa tão infantil.

Vivemos estações.

Há tempos em que tudo parece mais colorido e as estradas floridas,

e as vezes as idéias parecem que caem aos pés ao som do vento dos nossos pensares,

e o frio que transcende o cobertor nos faz desejar uma fonte de calor (humano)

Mas entre tantas bobagens, erros, inocência e infantilidades, um sol forte e radiante sempre brilha

para nos contar que um novo dia se apresenta

E nos desafia a novos momentos onde podemos escolher evitar os erros, ou cometê-los só para nos

certificarmos que aprendemos meeesssmooo a lição.

Mas em cada estação pensamos tantas bobagens que é uma bobagem não rir de tudo que se passou.

Cristina Lira


Você nunca está sozinho

Essa tua jornada é muito longa

e embora possas se sentir sozinho não estás

Alguém que te ama e admira acompanha tudo bem de perto

Mais prómixo que imaginas

E se a solidão bater as vezes

escreve em um papel o quanto tristes estas

e logo tudo irá passar aos poucos

e se não passar lembra-te dos amigos

estes arcos fortes que nos impulsionam

e se por falta de um amor a solidão te atormentar

não se iluda em procurar por um

pois o verdadeiro amor sempre nos encontra.

Cristina Lira

Minhas asas


Por favor, não sacuda minhas asas, estou voando. Estou indo para longe de todas essas armadilhas, vou indo fazer a maior de todas as arquiteturas. Mas não sacuda minhas asas enquanto voo, isso pode me fazer parar e, sinceramente não quero cair, não novamente. Esse comportamento que vejo me faz ter certeza que voar de encontro a outros horizontes me fará continuar livre, então, não sacuda minhas asas, elas são tão delicadas... Cristina Lira


A fé que nos move não precisa ser vista e sim sentida pelas ações que produzimos. Não há necessidade alguma em prova-la a outrem já que os unicos interessados em nossa fé somos nós mesmos, ela é particular como um segredo, indefinivel como a vida, embora inventem conceitos.
E nos preenche até explodirmos em sentimentos que se traduzem em ações de caridade.
Podemos nos esconder no meio da multidão mas não podemos recuar. E se muitos por ai não têm no que acreditar que se reservem ao direito de assim viver sem interferir nossos passos.
Cristina lira

Meus fantasmas

Tudo bem...nada vai mal, a não ser todos esses fantasmas que estão bem a minha frente. Diante desse vidro embaçado, já estou quase me reerguendo, para partir de todas essas cenas que ausentam meu sorriso. Quem sabe as lágrimas se contenham quando arquear minha cabeça. Não ficarei por muito tempo contemplando minhas misérias. E se esses fantasmas não se calarem, usarei a razão incrédula de propósito só para fingir que não os vejo. Cristina Lira


Minha revolta




Crianças que nascem inocentes
Por atos nem sempre de amor,
mas por prazer de indescentes
Seus choros então abafados
Seu ar mau chega ao mundo
E tão cedo é sufocado
Que tipo de gente são alguns pais de hoje
que seus filhos têm apagado.
Me revolta toda essa situação
de tantas mortes inocentes sem punição
Até quando a terra chorará
o choro que jamais se ouvirá... Cristina Lira

De forma única



Por Cristina Lira
Me olhe como se nunca mais fosse me ver

Me abraçe do mesmo jeito que faria numa despedida final

 
Me fale, como se as palavras fossem inesgotáveis

Se cale, para ouvir o tinir dos nossos corações


Venha ao meu encontro como se estivesse me vendo pela primeira vez

Me beije como se o tempo fosse eterno.

Me ame como se o hoje fosse o fim de tudo.


Faça tudo.

Não esqueça de ser único, mesmo nos momentos mais repetitivos.


Esqueça as chaves do carro.

A toalha sobre a cama,

a tv ligada.

Esqueça de pagar as contas.



Só não esqueça de mim, lembre-se que te amo e seja sempre único em tudo.



Piso em espinhos, mas isso também me dá prazer, pois sei que nessa estrada ainda existem rosas.
Cristina Lira