quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Vou me calar




Vou me calar para escutar estas vozes que gritam desesperadas dentro de mim, como se quisessem me contar algo que não sei ou apenas me reservei ao direito de não saber. Preciso calar a boca por uns instantes para entender o que branda dentro e mim.
Se eu me calar um pouco mais poderei escutar melhor, entender sem julgamentos antecipados e não cairei nas armadilhas de linguas afiadas.
Sim, irei calar, mas com o objetivo de me escutar melhor para viver melhor...e diante de injustiças sairei do luto e gritarei, rasgarei minha alma, mas não permitirei que forçem o silencio do meu próximo.
Me calarei para conversar comigo, para me contar segredos e entender os que já existem em mim. Meu silêncio será sempre meu melhor presente.
Mas, jamais me calarei para sempre, só alguns minutos do dia, porque se me nego a minha voz, me tiro o direito de me defender e de ser util ao próximo. Tudo na medida certa. É como diz o velho ditado: " Você tem dois ouvidos e uma boca, use-os na mesma proporção"
Falar menos e ouvir mais ( isso ajuda aos que estão precisando desabafar sobre algo);
Calar-se para conversar consigo mesmo (isso nos ajuda a ajudar, nos melhora enquanto individuos e enquanto humanidade);
Cristina Lira

Luz da minha escuridão


Você me atingiu forte como um raio de sol. Modificando minhas noites tão sombrias e tranformando todo sangue parado em vida. Sua luz tão forte e detentora fez a escuridão e as penumbras da minha alma esbravejarem, mas elas se foram... derrubando altos muros, quebrando todas as normas milenares, ressuscitando o resto de vida que vagava pela matéria tão fútil e desmedida.
E eram tão altas as paredes envoltas de mim, muros que construi, que me deram abrigo e sombras...e agora simplesmente foram ao chão, desta vez para não mais serem erguidos.
E por sua presença ando derrubando muralhas, me arriscando e quebrando regras...
E você é tudo que necessito. Você que é minha luz salvadora, quem faz arder claridade em minha escuridão.
E por tudo que és pra mim é que não dá para não notar que as sombras se afastam toda vez que você se aproxima, como se o pranto e a dor se curvassem aos teus pés. Não importa se temos toda uma vida daqui para frente, ou alguns anos, dias ou meses... esta canção sempre irá tocar no mesmo ritmo dos nossos passos e dos nossos toques, pois hoje tenho diante de mim a água que me purifica, a voz que me acalma, os braços que me abraçam, as mãos que me erguem quando caio, a luz na minha escuridão...

Cristina Lira