segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Se te comparo a um dia de verão


Se te comparo a um dia de verão
És por certo mais belo e mais ameno
O vento espalha as folhas pelo chão
E o tempo do verão é bem pequeno.

Ás vezes brilha o Sol em demasia
Outras vezes desmaia com frieza;
O que é belo declina num só dia,
Na terna mutação da natureza.

Mas em ti o verão será eterno,
E a beleza que tens não perderás;
Nem chegarás da morte ao triste inverno:

Nestas linhas com o tempo crescerás.
E enquanto nesta terra houver um ser,
Meus versos vivos te farão viver.

Alvorada


Te vi passar ao alvorecer
De passos lentos em desavença com o tempo
De olhar naufragado no frívolo espaço
e centrado em vagantes pensamentos

Te vi sumir além da linha dos meus olhos
O ar que você deixou quando passou
Cravou-se em mim
Como se soubesse o que estaria por vir

Te vi voltar, e tudo que era desencontro tornou-se permutável
Cruzaram-se olhares, palavras, sorrisos, idéias e toques
Te vi passar, sumir, voltar e permanecer
muito mais além que só um alvorecer.
C. Lira

Penumbra



Não sei o que faço com essas miragens, com esse espelho bem diante de mim.
Se toda vez que fecho os olhos te vejo vindo em minha direção e quando os abro a ilusão continua.
E correndo por entre degraus que subornam minha lucidez não sei o que é real.
 É como uma vela que faz seu fogo subir por entre cortinas e folhas secas quando atravessam as janelas, uma corrida de encontro a uma porta trancada e quando aberta dou de cara com meus fantasmas, minhas ilusões...um mundo que de tão real sucumbiu a imaginação.
Esta casa é grande demais, o vento é forte e balança as cortinas das janelas, penso estar só, mas ao levantar a cabeça vejo toda uma cena que me convida ao centro.
Teu toque me confere a certeza de que não há arvores queimadas por raios na estrada, não há tempestades causando inundações nas costeiras. Não há saqueadores nas redondezas. Pois mesmo que haja, não chegaria a notar nada disso, pois estaria contigo.
E o mundo desmanchando, mas por estar contigo todos os trilhos são seguros.
E me despedaço se partes e me recomponho se apareces.
Penumbras diante da distancia. Claridade total diante da presença.
Não há lugar algum onde possa me sentir melhor. Não há lugar algum do mundo onde desejo ter meu berço e minha lápide, senão junto a ti.
C. Lira